quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

ONTEM, HOJE E AMANHÃ

ONTEM
 
É tão triste hoje ter que admitir
Que o futuro sonhado está desfeito
Pelo tempo durado foi perfeito
Mas agora acabou e eu vou seguir
Um namoro até pode construir
Mas o fim desconstrói o nosso sonho
E na face que o riso foi risonho
Restam lágrimas correndo e apostando
Uma cai, mas a outra está brotando
Pelo rosto, abalado e tão tristonho

Duas vezes abri meu coração
Duas vezes senti a lança entrar
E a dor insistiu em penetrar
Já não creio nos rumos da paixão
Eu não sei se acredito em ilusão
Que o amor me iludiu e eu me feri
O vazio em meu peito eu construí
Com tijolos de lágrima e traição
Eu decreto: -te cala coração
Pois por mim o amor não entra aqui

HOJE

Só o tempo é quem cura os desenganos
E eu não sei, mas o tempo é um castigo
Quem eu amo me olha como amigo
E está bem distante de meus planos
Tantos erros e falhas, ou enganos
Minha vida parou na face dela
Eu perdi da agenda a foto bela
Que enfeitava meu pobre celular
Só por ela pedir para eu parar
De mandar as mensagens para ela

Hoje vi novidade em seu perfil
Que igualmente o amor me machucou
Vi que ela também se separou
E vi tristeza em seu rosto infantil
Mas pra mim é a mais linda do Brasil
E esperanças me movem com fervor
Eu só posso a falar que sinto dor
Vê-la triste me deixa entristecido
"Eu lamento na vida não ter sido
A primeira ilusão de seu amor"

AMANHÃ

Quando enfim meu caderno for só dela
E este peito ficar sem dona alguma
E as estrelas no céu não ter nenhuma
Vou chegar pra dizer, linda donzela
Me permita beijar tua face bela
E me deixe tocar no corpo teu
Se possível olhe o céu que apareceu
Uma estrela gigante que eu te dei
Me aceite, que ao mundo eu gritarei
Pra dizer que teu beijo é todo meu

Mas se tu não quiser o meu amor
Eu não vou entender, embora aceite
Mas meus versos serão como o azeite
Minhas rimas serão feitas de dor
Meu viver não terá nenhuma cor
Pois a cor só teus olhos pra pintar
E os sorrisos, eu sei, vão se acabar
Sem te ver logo sei que vou morrer
Você pode pedir pra eu te esquecer
Mas não pode obrigar-me a não lhe amar.

Renato Santos

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Pequena morena


Um corpo moreno olho acastanhado
O seu rebolado produz sedução
Tem em sua pele a cor do pecado
Perfume que cheira só a tentação

Seu belo sorriso de alucinação
Parece o sorriso de algum ser alado
Sua face ganha nosso coração
Bastando um olhar fico apaixonado

Olhar de brilhantes sorriso de fada
Um metro e sessenta cintura afinada
Os seios tão fartos quão maçãs se ver

Na pele de pêssego um puro hidratante
Quero a namorar ou ser seu amante
Se não ganhar ela vou enlouquecer

Renato Santos

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Soneto à Raquel Mello, maninha



Nasceste celeste no jardim das flores
Colorindo o dia com tua magia
Rosto encantado com tão lindas cores
Teu jeito revela muita simpatia

Acorda garota, pois hoje é o dia
Do último ano de teus defensores
Pois ano que entra terás em poesia
A maior idade, idade de amores

Celebra teu dia com muito amor
Encontra ao que buscas com muito louvor
Pois como irmão, sou sempre fiel

Que tua jornada seja só de glórias
Que te torne eterna em tuas vitórias
Os meus parabéns querida Raquel

Renato Santos

domingo, 5 de janeiro de 2014

À Samile Leite

 
 
À Samile Leite

Esse teu sorriso que tanto me encanta
Me toca na alma por tal sedução
Menina-mulher beleza de santa
As chaves da porta de meu coração

Tem pele de pêssego, olhar de paixão
Brilho radiante a sua voz canta
Impossível olhar-te sem ter emoção
Diante teu riso de beleza tanta

Foi teus olhos lindos que me cativaram
Olhando minha alma também me marcaram
Me faltam palavras para descrevê-la

Teu brilho, teu charme, é tudo bonito
Roubaria o céu te dando o infinito
Pra te comparar com a mais linda estrela

Renato Santos
— com Samile Leite.

Um simples presente Soneto de aniversário da mana



Um simples presente

Teu carinho pra mim é tão maduro
Logo quando te vejo de manhã
Tua face boneca linda e sã
É pra mim o conforto do seguro

Teu sorriso é tão lindo, eu sou teu fã
Teu olhar resplandece outro futuro
Teu projeto de vida lindo e puro
A mais bela de todas, minha irmã.

Mais um ano passou e tudo passa
Mas teu ano meu bem, vai ter a graça
Que você vai guardar no imaginário

E desculpe este irmão, que ele te afeta
Que o desejo maior deste poeta
É te dar um feliz aniversário

Renato Santos
— com Ruthy Santos.

"Você pode pedir pra eu me afastar Mas não pode obrigar-me a te esquecer"

Você foi a primeira a quem amei
Fui devoto demais de teus abraços
Sacerdote do cheiro de teus braços
Fui bem mais, mas se fui, nem mesmo eu sei
Se eu fui teu escravo ou fui teu rei
Só você é quem pode me dizer
Outro amor eu não quero nem querer
Pois jurei a você somente amar
"E você pode pedir pra eu me afastar
Mas não pode obrigar-me a te esquecer"

Renato Santos

Dez segundos que passo sem te amar São dez anos perdidos num só dia

A doçura que tem na boca dela
Arrepia os sentidos da paixão
O seu cheiro invadiu meu coração
Seu sorriso adentrou minha janela
És a flor do jardim que tem mais bela
Que ao te ver mesmo o vento se arrepia
Que até mesmo a mais forte ventania
Fica fraca se encontra o teu olhar
Dez segundos que passo sem te amar
São dez anos perdidos num só dia

Renato Santos

Meu cenário na virada de ano, um simples soneto para descrever.



Os fogos rompiam a imensidão
Um casal beijava-se a beira do mar
Enquanto outros tantos a fotografar
Marcando a virada do ano em questão

As ondas macias brincavam no chão
Em poucos centímetros a precipitar
Tornando o cenário mais belo de olhar
Tocando na alma e no coração

Flashes prateados rompendo a noite
Nos corpos em pose, fazendo açoite
São poses perdidas, totais desenganos...

Que o tempo ao passar renova as matérias
E as fotografias tiradas nas férias
São posteridades gravadas nos anos.

Renato Santos

Me perdendo em tua face

Soneto diferente em 16 versos (opcional)

Me perdendo em tua face

Uma noite contigo eu não sabia
Deixa a mente inspirada e tão completa
Ao olhar para mim logo me afeta
Um olhar que ao me olhar me arrepia

Seu sorriso é dotado de magia
Tentei ler, mas a mente analfabeta
Traduziu teu sorriso e diz: "poeta
Olha o riso, o olhar e faz poesia"

Eu olhei teu sorriso eu sei que olhei
Mas teus olhos, se olhar me perderei
No infinito universo de teus beijos

(No infinito universo dos encantos)

Pois teus olhos pra mim são dois rubis
E teus lábios, beijar eu sempre quis
Me perder em tua boca de desejos

(Me perder em teus lábios mais que santos)

Renato Santos

Rabiscos de lágrimas



Quase três da manhã e eu acordado
Rabiscando um caderno a desenhar
Letras tortas por tanto ter chorado
Simplesmente por que não quer me amar

As olheiras nos olhos a enfeitar
Esta cor desse olhar tão castigado
Foi de tanto pensar em te amar
E as lágrimas de tanto ter te amado

O soneto meu bem, vou terminar
Logo após a você vou dedicar
Carimbando o papel todo molhado

Meu sofrer em completa lucidez
Se alguém perguntar: "Quem foi que fez
Diga só: "foi um homem apaixonado"

Renato Santos

Andarilho Devoto


-Eu até te entendo, não me amas!
Mas pergunto o porquê da decisão
Por acaso não tenho um coração
Que acenda em teu peito as tristes chamas?

-Tua brasa não traz a emoção
Se te falo o que penso só reclamas
Vai andar pelo mundo e encontre as damas
Que talvez bem arruma uma paixão

Vais andar nessa vida, encontra um brilho
E te perdes no mundo andarilho
Encontrar uma rainha pra ser rei

-Até posso cair por mundo afora
Poderei encontrar alguém, embora
Mas não vou a amar como eu te amei

Renato Santos
— com Priscilla Viana.

Meu crime é somente amar


Como faço meu bem pra ter beijo
Nos meus lábios tocando a boca minha
Eu te olhar e dizer: "minha rainha
Se puder realiza um só desejo

E você parecendo uma abelhinha
Com teu mel adoçando o olhar que vejo
Ferroando o prazer de meu sobejo
Eu te agarro, te beijo e perco a linha.

Minha linda perfuma o meu viver
E me adoça com o mel do teu poder
Deixa eu ser teu eterno beija-flor

Sendo eu um eterno criminoso
Por roubar o teu néctar tão gostoso
Vou ser teu criminoso meu amor.

Renato Santos
— com Priscilla Viana.

Não há borrachas



Derrame os prantos, falsos, incolores
Desenhe a mágoa pintando teu peito
E se possível arrume algum jeito
De deletar do peito todas dores

Apague logo todos os amores
Delete o amor que dei-te (tão perfeito)
Que por ventura tu não tens direito
De minha boca sentir mais sabores

Se for possível esqueça que existo
E não insista tanto quanto insisto
Engula todas decisões malditas

Não toque nada que relembre nós
Por mentir tanto viverás tão sós
Não há borrachas pra palavras ditas

Renato Santos

Dois motes enormes

A procura de um bar busquei abrigo
Que acolhesse um poeta com seu tédio
A cachaça talvez seja o remédio
Que dê ponto final na dor que sigo
Vou chamar o garçom de meu amigo
Lhe pedir que me ouça ao me atender
Se eu pedir uma música pra roer
É o efeito da cana me envolvendo
Até hoje eu não vi ninguém ruendo
Que não sinta vontade de beber

Bom garçom me atenda por favor
Tire a dor que meu peito ainda sente
Bote aqui uma dose de aguardente
Para eu ver se esqueço um grande amor
Ela foi tão ingrata e trouxe dor
E eu senti a saudade o que é que faz
Se eu pedir mais cachaça traga mais
E o garçom me falou: -Não perca a vida
"E não misture saudade com bebida
Pois quem bebe "ruendo" vai atrás"

Renato Santos

A primeira ilusão de teu amor


Na sombra da poesia

Em homenagem ao grande poeta e amigo #Didi_de_Job, faço uma parafrase no título da décima com o título de seu livro:

Na sombra da imensiadade
Na sombra da esperança
Na sombra de uma lembrança
Vai sempre restar saudade
Na sombra da tua idade
Terá sempre a alegria
Na sombra da fantasia
De ti sempre vão lembrar
Poeta vá descansar
#Na_sombra_da_poesia

Renato Santos

Sonhando

Onze e meia da noite o sono bate
O descanso se faz bem necessário
E o silêncio se pinta num cenário
Onde o sono comigo faz combate
Ao dormir um sabor de chocolate
É o mesmo sabor que vem na mente
Se me deito eu me sinto diferente
Ao deitar eu só peço os beijos teus
Quando sonho com ela peço a Deus
Pra dormir e sonhar eternamente

Renato Santos

Nenhum sucesso da vida Vale um fracasso no lar

Nem mesmo a maior vitória
Paga um abraço bem dado
Nem mesmo o ouro encontrado
Vale um momento de glória
Quem se arrisca tem história
Para algum dia contar
Há quem teime em se arriscar
Nem toda regra é seguida
Nenhum sucesso da vida
Vale um fracasso no lar

Renato Santos

Morrendo de saudade

Distante de teu calor
Distante de teu olhar
Tão longe de teu sonhar
Meu peito sente uma dor
Mas enquanto eu vivo for
Te amarei de verdade
Vivendo na imensidade
Longe de tua beleza
Se eu não morrer de tristeza
Eu morrerei de saudade.

Renato Santos

Eu não quero lembrar que te esqueci



Meu amor eu te peço entristecido
Pelo fim do amor que nós tivemos
Que te guardes eterna eu teu sentido
Pra lembrar tantas coisas que vivemos

Não devolva os abraços que te dei
Nem se quer os buquês de margaridas
Guarde em ti as lembranças tão vividas
E se esqueça das vezes onde errei.

Meu amor não devolva os nossos beijos
Muito menos se esqueça dos desejos
Que nas noites tão frias te aqueci

Minha flor não existe mais “a gente”
Pra meu peito não doer novamente
Que eu não quero lembrar que te esqueci

Renato Santos

Sexto sentido

A visão me permite o enxergar
Quando vejo as campinas botar cores
Paladar me permite ter sabores
Para a língua sentir e degustar
Audição nos permite o escutar
O olfato tem cheiro de comida
Tem o tato o papel da despedida
Quando acena e dá tchau com alegria
Fica logo a certeza que a poesia
É o sexto sentido em minha vida

Renato Santos

Calado parte II

video
Se você escutasse o meu penar
E o meu pranto escorresse em tua face
Bem queria em teus olhos te fitar
Pra saber se um “pouquim” também penasse

E quem sabe, talvez me escutasse
Ou melhor, meu olhar pudesse olhar
Nossas bocas, penosas se encontrasse
E matasse a saudade ao se beijar

Meus desejos seriam atendidos
Mas não posso viver sonhos sentidos
Sem poder superar a minha dor

Pois os sonhos quiméricos morrem cedo
E talvez eu te perca por ter medo
De jamais te falar do meu amor

Renato Santos

sábado, 4 de janeiro de 2014

Pensando que me enganava: a pedido de Raquel Melo minha mana



Ela achou que iria me enganar
Me fazendo pensar que me amava
Declarando o amor que me adorava
E que era a única no mundo a me amar

Mas porém, se iludiu em acreditar
Que meu peito completo dominava
Quando sempre eu também desconfiava
E o melhor que eu fiz: desconfiar

Arranjou hoje um novo namorado
Eu confesso, ainda assim, fui enganado
Mas não quero te ver de forma alguma

Em pensar que já foste o meu tesouro
Mas não quero te ver banhada em ouro
Pois pra mim já viraste qualquer uma

Renato Santos
— com Raquel Mello.

À Andréa Queiroz: Soneto de Aniversário


Seu olhar nos cativa de verdade
Mas seu riso é quem chama a atenção
Já não sei se é sorriso ou tentação
Mas eu sei que eleva a imensidade

Tua alma repleta de bondade
Deixa o peito em completa inspiração
Cento e trinta batidas de emoção
Todas elas somente de saudade

Me desculpe o atraso na poesia
Meu presente é um soneto, embora o dia
Vai estar atrasado com certeza

E desculpa este atraso que me afeta
Eu errei, mas errei por ser poeta
Pra te dar um soneto, minha princesa

Renato Santos
— com Andréa Queiroz.